Prometi, pelo Instagram, que no terminar do meu Whole 30 vos ia contar tudo. E cá está o post tão pedido. O que é esta dieta, porque é que a decidi fazer, o que sinto trinta dias depois, se recomendo... Vou contar-vos tudinho. Vou dividir o assunto em vários posts porque é extenso... Entre partilhar em que consiste e toda a minha experiência, há muito que partilhar convosco.

Comecemos pelo básico. O que é tudo isto e quais foram as minhas motivações.

#1. // O que é o Whole30
Resumidamente é um programa de reeducação alimentar que irá desintoxicar o corpo e descobrir quais são os alimentos que vos provocam mais reacções. É restrita, sim, e há muitos alimentos que vão ter que tirar da vossa alimentação. Salta fora tudo o que é: açúcar adicionado (e isto inclui stevia e mel), álcool de qualquer forma (nem para cozinhar), grãos (que inclui trigo, aveia, milho, grão, arroz...), legumes (todo o tipo de feijão, ervilhas, amendoins, lentilhas, soja, miso, tofu...), todo o tipo de lacticínios e tudo o que possa ter sulfitos.

Parece muito? Sim. É muito? É. E dá trabalho? Sim.
Há que ler rótulos e perceber que um leite de amêndoa pode ter açúcar... E só por isso, já não o podem beber. Que um chourição ou um lombo curado também tem açúcar e não o podem comer. Que os iogurtes de soja não substituem os lacticínios tradicionais.

Mas ultrapassa-se bem. Porque são apenas e só trinta dias a comer comida real. E a ideia é mesmo mudar a relação que temos com a comida. Deixar de a usar como compensação para X, como prémio para Y e perceber o que nos vicia, o que nos causa picos de energia e o que nos suga e leva ao cansaço.

#2. // As regras do Whole30
A ideia aqui é muito além da perda de peso. E há regras que devem ser seguidas. Eu acho que - e pela minha experiência - tudo é flexível de acordo com o que vocês querem e que resultados procuram.

Comecemos pelo início: não se podem pesar nem medir durante trinta dias. Pesem-se no começo e tirem as vossas medidas. Tirem fotos até, se quiserem. O foco, relembro, nao é o perder peso. É mudar a vossa relação com a comida. E, por isso mesmo, o foco não deve ser nunca a imagem corporal mas a nossa cabeça.

Nunca pensem que um deslize passa impune. Não - um pingo de leite no café, uma mordidela numa bolacha, um copo de vinho com sulfitos... Isto é um recomeço, é voltar ao dia 1 porque basta apenas uma pequena quantidade destes alimentos para inflamar o nosso corpo. E para desintoxicar e desabituar, é preciso limpar na totalidade, sem deslizes, sem escapes. A ideia é comer bem por 30 dias, só isso.

E não arranjem substituições - o que no Whole se chama SWYPO, ou sex with your pants on. Se querem desabituar o vosso corpo de determinados alimentos ou perder vícios, não façam uma pizza ou um bolo com alimentos que são permitidos. Não façam uma panqueca de ovo e banana para substituir as panquecas normais. Se o vosso corpo PEDE uma panqueca, não façam uma substituição porque está a alimentar a vossa mente. O corpo pede e vocês dão. E mesmo sendo saudável, faz com que o hábito nunca se perca. 

#3. // Porque é que eu escolhi fazer o Whole30? 
Let's be real: não vou dizer que não queria perder peso. Já assumi várias vezes que não estou satisfeita com o meu corpo e claro que almejava perder peso. Mas a ideia passava por muito mais que isto.

A premissa deste regime alimentar ia muito de acordo com tudo o que eu sentia. Queria ultrapassar as quebras de energia constantes, queria melhorar o aspecto da minha pele e queria que o meu sistema digestivo funcionasse melhor. Além disso, queria quebrar vícios alimentares que são apenas placebo para o nosso corpo.
Dou-vos o exemplo mais chapado: descobri que ao pé do meu trabalho existe uma mercearia que vende os melhores croquetes que já comi. Nos últimos meses, dei por mim a ter fome todos os dias às 16h00. Mas a minha fome era apenas de uma coisa: croquetes! E estava a comê-los 3 em 5 dias da semana. Algo que é frito, cheio de hidratos e de coisas más. E queria quebrar este tipo de hábitos e vícios aos quais o meu corpo estava habituado.

#4. // Onde fui buscar toda a inspiração e informação sobre o Whole30?
Aqui, como fui dizendo a muita gente, o Google é o nosso melhor amigo. Lembro-me que o comecei depois de um feriado e passei esse feriado a procurar incessantemente na internet. Li imenso, vi imensos fóruns, aderi a vários grupos no facebook e encontrei imensas receitas no Pinterest. Deixo-vos alguns dos meus favoritos:

      • Site oficial do Whole30 - https://whole30.com/
      • Lista de compras - https://whole30.com/downloads/whole30-shopping-list.pdf
      • Introdução ao que é o Whole30 + Regras + Alimentos não permitidos (em português!) - http://cafecommanteiga.com/o-que-e-o-whole30/
      • Exemplos de receitas - https://paleoglutenfree.com/easy-whole-30-meal-plan/ // https://paleoglutenfree.com/best-whole30-lunch-recipes-meal-plan/ // https://www.playpartyplan.com/the-whole-30-meal-plan-recipes/

E como acho que isto já está muito longo, deixo a minha experiência para outro post. O que eu senti, quais as minhas dicas, como é que o meu corpo reagiu... Tudo isso. Mas agucei-vos a curiosidade? :)


2 comentários

  1. tenho um bocado de dificuldade em entender porque é que consideram carne processada "comida real", mas grãos e legumes não. Esta dieta não seria definitivamente para mim...

    ResponderEliminar
  2. Fiquei curiosa sim já que isto da alimentação é um mundo que me apaixona.:D

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Contact

Com tecnologia do Blogger.

Instagram - @mafalda_beirao

© 2008-2017 MALMEQUER