Hoje falou-se de amizades perdidas. Daquelas que perdemos por motivos tão estúpidos que chegamos ao ridículo de fazer de conta que não conhecemos a outra pessoa. Eu vivi com isto nos últimos três anos. Uma das pessoas mais especiais que tinha comigo, isolou-se um pouco quando surgiu um novo namorado. As prioridades alteraram-se, os momentos para cada coisa começaram a ficar pouco definidos, a atenção e dedicação à amizade desapareceu. Deu-se uma e duas oportunidades. À terceira, já só lá ia quem queria. E eu não quis ir mais. O destino quis que ambas acabássemos a estudar na mesma faculdade e foram três anos a fazer de conta que não nos víamos, a desviar o olhar quando a outra passava e umas tantas situações assim que só têm muita estupidez. 
Um simples gesto mudou tudo. Afinal de contas, quando damos a mão à palmatória é porque entendemos o que de mal fizemos e porque estamos dispostos a mudar. E eu dou uma terceira oportunidade por isso. Hoje orgulho-me de voltar a ter-te a meu lado e de sentir que a nossa cumplicidade se mantém. Se seremos amigas indispensáveis como um dia o fomos? O futuro o dirá. Mas fico com um sorriso enorme na cara ao saber que a nossa amizade não é mais uma causa perdida... 

Há que lutar. As amizades não se constroem em cima do joelho, com riscos e rabiscos feitos à pressa. É preciso alimentar e é preciso dar para receber de volta. Ver o outro com os olhos do coração, sem julgar e dando a ver que nós somos aquela rede de segurança sempre presente. Como diz o meu John Mayer, é aquele “i got your back” love. Só assim se mantém alguém do nosso lado. Não há cá adubos nem fertilizantes. Isso funciona para as amizades do momento... Para aquelas que queremos que durem para a vida, bastam pequenos detalhes que nos fazem perceber que é a sério e que vale a pena. 

Quem é que não levou já um grande pontapé no rabiosque por causa disto das amizades? Faz parte. Mas por isso mesmo é que hoje faço de tudo para cultivar as amizades. Sejam estas que estiveram a hibernar durante uns tempos ou aquelas que aparecem de repente e se tornam tão importantes. E podem até nem ser muitas. Posso até nem conhecer meio mundo. Mas o meu pequeno mundo vale muito mais a pena.

23 comentários

  1. Adorei este post. Dos posts mais profundos e sinceros que tenho visto por aí. Acho que toda a gente deveria ler isto para relembrar o que é a amizade. Anda por aí muita confusão ultimamente.
    Obrigada por este bom momento. Bj

    ResponderEliminar
  2. Bem Melody, quando falas (ou nest caso, quando escreves), deixa-nos a todos com um brilho nos olhos.
    A amizade tem de ser construída, e também tem de se lutar por ela! E a verdade é mesmo essa, às vezes basta um pequeno gesto para que tudo volte a ser como era.
    Na amizade, temos de por o orgulho de parte, porque tal como dizes, é normal levarmos um pontapé no rabiosque.
    Aconteceu-me o mesmo com uma grande amiga, amiga com quem vivi durante um ano. Eramos tão próximas, entendia-mo-nos tão bem, e mesmo que passássemos um ano separadas, quando voltássemos a estar juntas, era sempre maravilhoso e cúmplice.
    Afasta-mo-nos e mal nos cumprimentávamos.
    Bastou uma mensagem a dizer "tenho saudades nossas" para nos juntar e estarmos felizes como nunca :)
    E eu fico muito feliz por ti também :)

    ResponderEliminar
  3. Como concordo contigo. Quando mudei de casa, no final do 12º ano, foi complicado. Apesar de estar apenas a 30 km de distância, na altura nem eu nem os meus amigos tínhamos carro e chegámos a estar meses sem nos vermos. Felizmente, as tecnologias ajudam nisso, os telemóveis, a internet. O certo é que apenas mantive as amizades mais fortes, as verdadeiras. É claro que continuo a falar com as outras pessoas mas se isso acontecer uma vez por ano é muito. Eu acho que é nestas situações que distinguimos as verdadeiras amizades das amizades temporárias. As nossas vidas mudaram nos últimos anos, mas continuamos a estar presentes sempre que algum de nós precisa. E, ao ler o teu post, fiquei ainda com mais saudades desses amigos, com os quais nem tive oportunidade de estar neste verão :(
    Vou ter que matar saudades! ;)

    ResponderEliminar
  4. um bonito post e como sabes com bastante significado. é verdade, há que lutar, há que dar a mão à palmatória, mas há que também saber largar quando é necessário :) beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Sei o que isso é também... Infelizmente passamos por momentos que nos fazem ver a vida com outros olhos e de repente compreendemos que afinal aquela pessoa nos faz falta, as vezes a amizade esteve sempre lá, adormecida à espera de uma beijoca, de outras vezes morreu mesmo e só surge para termos a certeza de que jamais será o mesmo, ainda bem que a amizade e o carinho se mantiveram, é tão bom quando isso acontece ♥

    Adoro ler-te mulher ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Adoro quando escreves este tipo de post.Revi-me em tudo, a sério!
    Recentemente vivi uma situação mt parecida, felizmente estou como tu,a alimentar a relação, não é a mesma do tempo de miúdas com uma separação de mais de 10 anos, mas acho que o tempo dirá se a amizade é verdadeira ou não.
    Acho que devias dedicar um dia da semana ao "Post Profundo" que tal? ;)

    ResponderEliminar
  7. adorei o post, acredito que muitas já passaram por isso e eu fui uma delas...

    ResponderEliminar
  8. Adoro estes posts :) E concordo contigo, acho que fui um pouco como a tua amiga, e afastei-me dos meus amigos quando comecei a namorar mas, felizmente, ando a tentar recuperar as minhas grandes amizades e tenho tido sucesso porque quando se tem/teve uma amizade forte, é para a vida :)

    ResponderEliminar
  9. sei bem o que isso é...não podia concordar mais com o que disseste! eu também já dei a mão a palmatoria muitas vezes e nunca me arrependi :)

    BEijinhos

    ResponderEliminar
  10. é tão bom perdoar e esquecer e saber que há coisas e pessoas que valem a pena..e que apesar de toda a podridão que nos rodeia...há gente que vale tanto a pena..!!!

    ResponderEliminar
  11. adorei. compreendo-te perfeitamente, pois já passei pelo mesmo...

    xx

    ResponderEliminar
  12. God!! Ao lr o que escreveste, até parece que fui eu!!Acabei por passar exctamente pelo mesmo que tu e senti e sinto o mesmo!! Depois de 6 anos afastada da minha melhor amiga de sempre e como se nunca nos tivessemos conhecido, nestes ultimos dias dei o passo que nos permitiu voltar a aproximar. E penso exctamente como tu, o futuro dirá se a cumplicidade será a mesm. Mas isto já é muito bom. E arrepender, nunca! Tudo aconntece por alguma razão ;)

    Mesmo sem te conhecer, fico contente por ti porque sei exctamente qual é o sentimento...

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  13. Óptimo post!! Acho que todos nós já passamos por isso!! E é sempre bom quando dps de tanta turbulência, algo começa a crescer e a ser reconstruído!! =D

    ResponderEliminar
  14. eu quando comecei a namorar a pessoa que eu achava que era a minha melhor amiga tentou-nos separar, eu perdoei uma vez mas não perdoei a segunda, por isso digo com pena minha que ela já não é mais minha amiga, porque se fosse amiga não teria feito aquilo! fico feliz por saber que tu recuperaste a tua amizade :) *

    ResponderEliminar
  15. "Mas o meu pequeno mundo vale muito mais a pena." quando somos verdadeiros amigos esquecemos um pouco o "eu", é bom recuperá-lo de quando em vez, tornarmo-nos um pouco egoistas e mimarmo-nos.

    ResponderEliminar
  16. Eu já perdi uma "amizade" que na altura era bastante importante para mim, mas hoje apercebo-me que aquilo nao era amizade nem nada..enfim..estou feliz de já nao ter essa pessoa na minha vida ( nao sei se é a indiferença a falar ou algum sentimento com mais raiva, mas sim estou feliz) actualmente so ja tenho pessoas que realmente quero na minha vida! :)

    A tua última frase = <3

    ResponderEliminar
  17. é bom saber disso, porque eu não sou nada de colares, mas assim um simples fio gosto :) mas esse que tens, é meio pendente ou é assim mais justo ao pescoço?

    ResponderEliminar
  18. eu queria mais um como o primeiro, assim super simples e que desse um toque especial :) mas obrigada pelo conselho!

    ResponderEliminar
  19. ainda ontem falava disso, da quantidade de amigos que temos quando somos mais novos, e achamos que temos imensa gente à nossa volta e com o passar do tempo vamos perdendo x pessoas e ficando apenas com algumas, geralmente aquelas que realmente se importam.
    Há uns tempos tentei reaproximar-me de uma grande amiga de infancia, ate fiz um post sobre isso, jantámos e foi tão bom que achei que ia voltar a ser como antigamente, no entanto depois desse jantar ela nunca mais ligou, nunca mais disse nada e sinceramente todos nós gostamos de ser acarinhados e sentir que se lembram de nós, portanto ficamos assim. Penso muito nela e nas saudades que tenho das confidências, mas não posso ser apenas eu a fazer tudo, assim sendo fico com os poucos mas execelentes amigos que tenho e que me fazem feliz:-) beijinhos****

    ResponderEliminar
  20. Sim, sim! :)
    As amizades precisam de ser alimentadas e cuidadas...e até sorri de ironia ao ler este post, pois estou numa situação um pouco semelhante com uma das minhas melhores amigas de infância...e igualmente por causa do namorado. Entristece-me um bocado ver que ela praticamente não tem amigos, ou vida social além do trabalho e do namorado. Mas é uma escolha dela, escusava era de se ter afastado das amigas de sempre...
    Bem, e agora com um comentário maior me despeço. *;P

    ResponderEliminar
  21. Adorei!! :)

    Kisses,

    Saltos de Cristal

    http://saltosdecristal.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  22. Concordo contigo! Mas por vezes somos os únicos a lutar e se do outro lado não há um bocadinho de luta também ou pelo menos vontade de lutar, mais vale deixarmos ir...e esperar que um dia essa pessoa que um dia foi especial perceba e queira voltar a partilhar aquilo que um dia partilhamos e quem sabe muito mais...:)*

    ResponderEliminar
  23. cada vez mais penso nisso, prefiro ter um grupo pequeno e coeso de amigos que (acho) nunca me vão desiludir em vez de ter uma série de conhecidos com os quais muitas vezes não me identifico e sei que não posso contar com eles para nada que seja.

    conto-os pelos dedos das mãos, e estes acredito que sejam para a vida, eu pelo menos por isso farei.

    *

    ResponderEliminar

Contact

Com tecnologia do Blogger.

Instagram - @mafalda_beirao

© MALMEQUER
Design by The Basic Page